8 a 11 de

Setembro

de 2020

O IV ENEEEA é uma iniciativa de cinco professores

de escolas de arquitetura, sendo quatro universidades públicas da região Sudeste – USP, UFMG, UFU E UFOP - e uma do Nordeste - UFPE, sendo coordenado pelas professoras Doutoras Maria Luiza Macedo Xavier de Freitas e Risale Neves de Almeida, ambas do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco. Nele se visa discutir o ensino de estruturas nas escolas de arquitetura, abordando os sistemas estruturais tradicionais e inovações, a integração com as disciplinas de projetos arquitetônicos, como também com as demais atividades didáticas previstas nos projetos pedagógicos dos cursos.

A quarta edição do encontro tem como objetivo abordar como tema central o canteiro experimental e os impactos das novas tecnologias e fabricação digital no ensino de estrutura nas escolas de arquitetura.

Dr. Clécio Magalhães do Vale

Departamento de Arquitetura e Urbanismo (Escola de Minas)

Programa de Pós-Graduação em Engenharia

das Construções (MECON) / UFOP 

Dr. João Marcos de Almeida Lopes

Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Programa de Pós-graduação do IAU / USP São Carlos

Dra. Maria Luiza Macedo Xavier de Freitas 

Departamento de Arquitetura e Urbanismo 

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU) / UFPE 

Me. Rita de Cássia Pereira Saramago 

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e Design / UFU 

Dr. Roberto Eustaáquio dos Santos

Escola de Arquitetura

Núcleo de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo / UFMG 

 

SOBRE O ENEEEA

O IV Encontro Nacional de Ensino de Estruturas em Escolas de Arquitetura – IV ENEEEA - dá continuidade à discussão sobre ensino de estruturas em escolas de arquitetura, retomada em 2017 com a realização do III ENEEEA, em Ouro Preto, após um intervalo de cerca de 30 anos. O evento reúne o Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), a Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (EA-UFMG), o Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU-USP), a Faculdade de Arquitetura, Urbanismo e Design da Universidade Federal de Uberlândia (FAUeD-UFU) e o Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), nos quais, no âmbito dos programas de pós-graduação correlatos aos cursos acima citados (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU)/UFPE, Programa de Pós-Graduação em Engenharia das Construções (MECON)/UFOP, Núcleo de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (NPGAU)/UFMG e Programa de Pós-graduação do IAU/USP São Carlos), os professores da comissão organizadora desenvolvem trabalhos dentro da temática do evento, empreendendo um esforço de consolidação do híbrido campo da tectônica por meio de pesquisas específicas e orientações.

O IV ENEEEA está dimensionado para uma duração de 3 dias, contudo, existirá um pré-evento em formato de oficinas para professores e estudantes, que se dará nos 3 dias e meio que antecedem ao evento como resposta às  dificuldades e lacunas na formação de quadros especializados no ensino de estruturas para estudantes de arquitetura observadas em diversos trabalhos, entre os 78 selecionados para o III ENEEEA e nas discussões da reunião plenária de encerramento. Na programação do evento constam as atividades que acontecerão entre os dias 23 e 29 de maio, como a Conferência de Abertura, cujos palestrantes serão os professores João Marcos Lopes (IAU-USP), Lula Marcondes (UNICAP) e Tomaz Lotufo (Centro Universitário Belas Artes de São Paulo), exposição de pôsteres, lançamento de livro (publicação dos trabalhos selecionados pelo Comitê Organizador do III ENEEEA, em Ouro Preto, MG), mesas de discussão e três Palestras de convidados internacionais. Ao final destas, haverá uma reunião geral para encaminhamentos e decisão do local para o V ENEEEA, o qual deverá acontecer em 2023.

O evento será realizado de 8 a 11 de maio de 2020, com sede na UFPE, no Recife, com ênfase no tema “A construção como estratégia pedagógica: o canteiro experimental, que dá espaço para três subtemas: a) O ensino de estruturas em escolas de arquitetura e o canteiro experimental: estratégias pedagógicas; a) Projetar, estruturar e construir: um ato de tectônica; c) Makers: as transformações nos recursos pedagógicas provocados pela modelagem e fabricação digital. Assim como o precedente,  destina-se Professores Arquitetos e Engenheiros Civis atuantes em cursos de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil, assim como profissionais com especial interesse no tema, e alunos de cursos de graduação de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil e pós-graduandos com estudos na área. 

 

OBJETIVOS

A discussão almejada no IV ENEEEA tem por objetivos: 

 

  • Reorientar o ensino de estruturas nas escolas de Arquitetura para novas abordagens e articulações com outras disciplinas e atividades didáticas previstas nos projetos pedagógicos;

  • Promover articulação entre ensino de projeto, de estruturas e de materiais e técnicas construtivas, bem como das respectivas áreas específicas de conhecimento; 

  • Divulgar a produção de recursos didáticos, especialmente dos que articulam ensino de projeto, estruturas e materiais e técnicas construtivas; 

  • Promover a difusão de propostas inovadoras a partir da articulação entre centros de pesquisa e ensino; 

  • Fomentar a cooperação na pesquisa científica das áreas de projeto, de estruturas e de materiais e técnicas construtivas, bem como de suas interfaces;

  • Fomentar propostas de formação docente, como cursos de formação e atualização, atividades de canteiro e extensão universitária.

CONTRIBUIÇÕES

RESULTADOS

Consideram-se possíveis desdobramentos deste evento contribuições no âmbito científico, a saber:

  • Democratização do acesso ao conhecimento acerca das estruturas, a partir do estímulo a novas abordagens que conciliem concepção e cálculo estrutural, com consequente incentivo à produção e divulgação de literatura; 

  • Fomento à cooperação na pesquisa científica da área;

  • Estímulo à pesquisa relativa à história do desenvolvimento do conhecimento acerca das estruturas.

  • No âmbito tecnológico:

  • Em contraponto à hegemonia do concreto armado, o estímulo às pesquisas de aprimoramento de antigos e o desenvolvimento de novos sistemas estruturais e construtivos;

  • Fomento às propostas de formação docente, como cursos de formação e atualização, atividades de canteiro e extensão. 

  • No âmbito da inovação:

  • Promoção e difusão de propostas inovadoras a partir da articulação entre centros de pesquisa e ensino;

  • Reorientação do ensino de estruturas nas escolas de Arquitetura para novas abordagens e articulações nos projetos pedagógicos;

  • Divulgação e produção de novos recursos didáticos da área, especialmente da que articula concomitantemente ensino de projeto e de estruturas.

Os resultados esperados são a consolidação da interface entre o projeto de arquitetura e a engenharia de estruturas como área de estudos híbrida a partir da noção de tectônica, pensada como um campo em que se articulam o espaço, as estruturas e a construção (materiais, técnicas e trabalho) e a formação de especialistas capazes de operar nessas três dimensões, como pesquisadores e professores. Por consequência, almejamos a reorientação do ensino de estruturas nas escolas de Arquitetura pela discussão dos trabalhos apresentados nas mesas redondas, as quais terão como norte aqueles que propuserem debater os diferentes aspectos orientados pela convergência do ensino por meio de abordagens emergentes, tanto aquela em ambiente computacional (a modelagem estrutural e formal), quanto nos canteiros experimentais.

 

Busca-se criar um centro de aprendizagem e ensino de estruturas para escolas de arquitetura coletivo, organizado no âmbito da Universidade Federal de Pernambuco. Em tal ambiente, os alunos dos cursos de arquitetura de escolas / faculdades / universidades parceiras poderiam praticar atividades de projeto, experimentando diferentes materiais e técnicas construtivas para investigar formas arquitetônicas inovadoras. Deste modo, a relação com a modelagem computacional põe em perspectiva a possibilidade de experimentar as resistências dos materiais dentro do conceito da forma arquitetônica em um ambiente digital. 

Pretende-se, a partir dessas duas abordagens, construir uma formação do estudante de arquitetura mais próxima da prática, e, principalmente, criar lugares de experimentação formal a partir do entendimento do comportamento dos sistemas estruturais e da resistência dos materiais, seja no canteiro experimental, seja virtualmente.

CONTATE-NOS

@iv.eneeea

@iv.eneeea

REALIZAÇÃO

© 2019 por Ruama Haine. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now